Vida louca, vida breve


Por Sergio Viula
Publicado originalmente no AASA



Antes de tudo, quero pedir desculpas por não ter publicado nos últimos dois domingos, mas muita coisa aconteceu nessas duas semanas e não dei conta de tudo. Agradeço aos que sentiram falta e procuraram saber se estava tudo bem.  🙂
Fora de controle
A maioria de nós adora a sensação de estar no controle das coisas, mas, no fundo, isso não passa de mera ilusão. E quando não acreditamos que temos o domínio, tendemos a atribuir a condução de nossas vidas a deuses ou outros seres supostamente superiores. Esse é o teor da frase de para-choque de caminhão que diz: “eu dirijo, mas Deus me guia.” O fato é que nem nós nem deus algum está no controle do que quer que seja. A vida humana é breve, cheia de altos e baixos, cercada de riscos, e sempre passível de ser encerrada sem qualquer aviso prévio.
Isso, porém, não deve ser razão para desespero ou desmotivação. Pelo contrário, se podemos ter nossas vidas interrompidas a qualquer momento, eis aí mais um motivo para vivermos ainda mais intensamente cada momento disponível. E isso sem perder a tranquilidade de quem sabe que quando não há solução para uma ameaça à existência, não haverá oração ou  pensamento positivo que nos valha.
Felizmente, graças ao desenvolvimento do conhecimento científico, já fomos capazes de coisas extraordinárias, ainda que nem sempre nos demos conta de sua grandeza. A prevenção ou cura de uma (nada) simples diarreia em crianças através do soro caseiro, já salvou bilhões da morte e é um bom exemplo disso. Existem outros muito mais complexos, mas esse mostra que as soluções para grandes problemas podem ser simples, mas nem sempre fáceis de serem encontradas. E mesmo com toda nossa ciência e tecnologia, um dia a morte chegará para nós também, com ou sem aviso prévio. E é aí que me lembro de uma canção de Cazuza: “Vida louca, vida, vida breve, já que eu não posso te levar, quero que você me leve…”
No final, ele diz: “Tô cansado de tanta babaquice, tanta caretice, dessa eterna falta do que falar. Vida louca vida, vida breve,  já que eu não posso te levar, quero que você me leve..”
E é exatamente nessa “vibe” que me encontro. Na verdade, já faz algum tempo que venho vivendo assim. Viver o que há para ser vivido sem prejudicar ninguém, mas sem deixar que outros me digam como devo viverEsses dias, disse a um amigo que decidi deixar de dançar a música alheia e tocar a minha própria. E é bem isso.
Dois pesos – a babaquice de muitos humanos
Falar de Cazuza e dessa música é lembrar de seu drama com o vírus da imunodeficiência adquirida. E quando o vírus HIV começou a infectar pessoas nos EUA, muita gente pensou e disse as maiores asneiras. De “castigo de Deus” e “praga gay” a “sinal do fim do mundo”, a estupidez típica dos desesperados ou maliciosos reinava, inclusive entre aqueles que deviam primar pela exatidão dos dados antes de espalhar superstições e boatos que imediatamente tornariam as vidas de muitos indivíduos infectados com o vírus uma experiência insuportável no momento em que mais precisavam de apoio.
Na verdade, tratava-se apenas de um microrganismo sem qualquer ideologia embutida em seu DNA, mas logo se formaram ao redor dele os mais estapafúrdios discursos. Assim como o HIV, o Ebola também fez seu estrago fatal em muitos casos, mas foi controlado rapidamente. Agora o caos está sendo promovido pelo vírus Zika, que desafia os cientistas e apavora as grávidas por estar aparentemente associado à microcefalia em fetos. No entanto, não houve uma só manchete que atribuísse os males causados pelo vírus Zika a algum castigo divino contra a “obstinação humana em procriar”, apesar da superpopulação de 9 bilhões de “parasitas humanos” que causam todo tipo de malefícios ao planeta. Pelo contrário, Deus foi convenientemente deixado fora disso, apesar da desgraça que vem se abatendo sobre esses pobres fetos e essas gestantes. Mas, eu acho que é uma boa ideia colocá-lo em foco, porque a coisa fica bem feia para o lado de Deus quando lemos que Jesus teria dito: “Não se vendem dois passarinhos por um asse? No entanto, nenhum cai por terra sem a vontade de vosso Pai.” (Mateus 10:29) Um asse era uma moeda romana de bronze de pouco valor. Então, a lógica é que se dois passarinhos valem tão pouco e Deus supostamente cuida deles, ele certamente cuidará do ser humano com muito mais diligência.
Ora, se esse é o caso, por que a microcefalia em fetos causada por um estúpido vírus, afinal de contas? Será que Deus quer que essas crianças fiquem prejudicadas pelo resto de suas vidas? Alguns dirão: “De modo algum!” Então, porque ele não impede que isso aconteça? Por que ele – todo-poderoso como dizem que é – não impede que o vírus continue existindo ou simplesmente demita o mosquito da função de vetor? Vocês já sabem a resposta, mesmo que se recusem a dizê-la: Porque não há um deus no controle de nada disso.
Ah, sim, só para garantir que ninguém deixe de entender meu ponto aqui, quero deixar claro algumas coias:
1. HIV, Ebola e Zika vêm todos do mesmo lugar: da floresta.
2. Seres ditos sobrenaturais não provocam, não impedem e não curam doenças desencadeadas por esses vírus. Nossa esperança está no trabalho dos cientistas, assim como se deu com a prevenção ou cura de várias doenças: a paralisia infantil, as hepatites A e B, o sarampo, e assim por diante.
3. Esses e outros microrganismos que nos causam danos não servem a qualquer propósito mais elevado, assim como nós não servimos a nenhum propósito mais elevado para a vida das vacas quando comemos um bife.
Olhando para tudo isso, é inacreditável que muita gente ainda renuncie a vida em troca de uma recompensa que nunca virá, ou porque tem medo de pegar alguma doença, ou porque acredita que pode sofrer algum dano. Ora, renunciar a vida é o dano. Quando você é mortal, descartar ao que você não tem condições de recuperar é uma tremenda estupidez. O melhor nome que me vem à mente para isso é  DESPERDÍCIO. Eu poderia dar outros bem mais agressivos, mas não temos tempo para isso, não é verdade? 😉
Então, se o grande barato da vida é viver, o que você ainda está fazendo aí, criança? Vá viver, se aventurar, inventar, criar, curtir o que você gosta de fazer, porque um dos meus mais queridos poetas-cantores já disse que a vida é louca, que a vida é breve. 😉  Mas, isso não quer dizer que você não pode ou não não deve tomar  as precauções possíveis. O que isso quer dizer é que de um jeito ou de outro, você vai parar um dia. Então, viva! E para sua inspiração ou só para matar a saudade, encerro esse post com Cazuza.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A face mutante do Diabo e sua utilidade para a igreja

Os fantasmas da (i)moralidade religiosa querendo assombrar o ensino de biologia

O tempo e o senso comum