Sempre se pode dizer algo, mas é mesmo preciso?



Sempre se pode dizer algo, mas é mesmo preciso?



Por Sergio Viula







Isso foi o que eu pensei quando sentei para escrever a coluna desse domingo, pois ainda que pudesse haver o que se dizer, quem nos garante que o dito será entendido em sua integridade? Dificilmente. Cada ouvinte ouve uma versão do que foi dito, muitas vezes contradizente ao que era a intenção do falante ou pelo menos diferente – o velho ‘nada a ver’.


Sempre há o que dizer, mas será que é mesmo preciso que o digamos?


Mais do que isso: O que ainda resta dizer que não tenha sido dito? Parece que tudo é mera repetição parafrásica. A impressão que tenho é que não há ineditismo. Pode haver modos criativos de se reorganizar o que já foi dito ou pensado por outros. Não seria o caso de chamarmos de inovador simplesmente o que (já) foi dito ou feito de um modo não convencional? Sim, porque aquilo a que chamamos de inovação parece apenas uma maneira não habitual de se dizer ou fazer as mesmas coisas.


Nesse final de semana, decidi não ficar quebrando a cabeça só para tentar dizer algo novo no post desse domingo, porque novo – ah! – isso é que não seria mesmo… E depois, porque já tem tanta gente dizendo tanta coisa que talvez o silêncio seja o item mais valioso hoje.


Então, por agora, ficarei quieto até que um novo impulso para dizer algo, por mais “batido” que seja, venha a me motivar a correr o risco de repetir a mim mesmo, de repetir os outros, de ser mal interpretado, e por aí vai. Nada disso (também) é novidade.


De qualquer modo, é na repetição parafraseada de enunciados nossos ou de outros, e nas maneiras inesperadas de dizê-los que acabamos ativando os processos mentais que nos movem nas direções que tomamos diante das questões que a vida parece colocar diante de nós. Na verdade, algumas dessas questões nada mais são do que imaginação nossa (nós as colocamos ali) ou interpretação arbitrária e superdimensionada do que acreditamos ser a realidade.


Então, nesse domingo, faço votos que todos tenham um dia maravilhoso! Com ou sem muitas palavras.



Nada inédito nessa frase também, mas é sincera^^. 




Originalmente publicado em 10 de abril de 2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A face mutante do Diabo e sua utilidade para a igreja

Os fantasmas da (i)moralidade religiosa querendo assombrar o ensino de biologia

O tempo e o senso comum