Pregadores em sala de espera: Só não são mais chatos por falta de espaço…

Por Sergio Viula

Fui ao escritório de direitos autorais da Biblioteca Nacional registrar uma obra e ouvi quatro crentes falando sobre suas crenças. Os quatro eram daquele tipo bem fanático. Um sabia meia-dúzia de versículos, que recitava sem o menor senso crítico. Os outros o ouviam e concordavam como se aquela fosse a mais absoluta verdade. Só que não.
Fiquei pensando em como as pessoas ‘papagaiam’ o que ouvem sem investirem o menor tempo em raciocinar sobre a validade disso tudo. E o pior é a falsa humildade pretextada cada vez que o cara diz “não sou eu que digo, é a Bíblia” ou “eu não sou nada, sou só um servo”. Na verdade, ele se acha o porta-voz de deus – o que supostamente o coloca numa posição mais elevada que os outros.
E a repetição da frase “…porque não somos bastardos, somos filhos”? É muita carência emocional. Muita necessidade de pai, carai! Vê se cresce, bebezão.
É engraçado que todo mundo se veja como intérprete fiel da Bíblia e que acredite ter a verdade final sobre cada letra posta ali. Gente que é incapaz de interpretar corretamente uma questão do Enem, mas se sente doutor em textos antigos, traduzidos a perder as contas, cheio de pontos controversos, que encontram contradições, sobras ou faltas quando se comparam manuscritos antigos – o que não significa ‘originais’, como dizem muitos indoutos no assunto. Não existem originais. Nem mesmo um sequer. Os mais antigos são cópias, de cópias de cópias e apresentam várias discrepâncias entre si.
O problema, portanto, já começa com o texto em si. Depois disso, tem as traduções que corrompem sentidos nas cópias das cópias das cópias em hebraico, aramaico e grego. E, depois de tudo isso, ainda tem os problemas de interpretação, seja por falta de conhecimento, seja por má-compreensão do que está escrito – que já não é original -, seja por pilantragem mesmo, porque certas interpretações serves aos propósitos de manipuladores e exploradores da credulidade de fiéis ignorantes, culpados, medrosos e tão ambiciosos quanto seus líderes, mas não tão espertos.
Claro que não perdi meu tempo discutindo com aqueles crentes pregadores oportunistas que fazem de uma sala de espera um púlpito para todo o tipo de asneiras consideradas sagradas.
Como eu tinha coisas mais importantes para fazer, tais como almoçar e corrigir provas, decidi simplesmente pegar meu protocolo de solicitação de registro de autoria de uma obra e saí. ^^
A maioria dos leitores devotos da Bíblia costuma evitar qualquer pensamento sobre os problemas que as escrituras “sagradas” colocam diante do leitor sem o menor pudor. Por isso, listei esses 10 problemas da Bíblia do modo mais claro que pude. Convido todos a lerem esse texto: 10 Grandes Problemas da Bíblia.
Outra postagem que gostaria muito que as pessoas acessassem é essa que coloquei na forma de um híbrido de vídeo e podcast. O conteúdo foi apresentado numa das poucas igrejas que têm coragem de ouvir o contradito sem perder a linha: a Igreja Reformada Ecumênica de Copacabana, agora se reunindo em Botafogo. Como não consegui filmar a palestra, decidi gravar o que você poderá ver/ouvir aqui: MÊS DA BÍBLIA: Um ateu na Igreja Reformada Ecumênica .
Agora, deixando o texto bíblico de lado e pensando numa frase que os crentes adoram repetir, sugiro a leitura desse texto: Um corpo nunca será livre enquanto a mente ainda tiver senhores. A frase a que me refiro é aquela que diz que Jesus Cristo é o Senhor. Vale a pena dar uma olhada. Mas, infelizmente, muitos preferem nem se expor a uma fala que não reforce suas frágeis crenças, ou seja, aqueles que preferem viver na bolha do fanatismo que renega tudo para tentar resguardar aquilo por meio do que esperam ser salvos: a fé. E para se consolarem de tudo o que estão perdendo em nome dessa obediência cega a textos corrompidos e pessimamente interpretados, eles repetem: “De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” Isso é mera anestesia existencial e não resolve o problema: ele perde muita coisa boa que os líderes religiosos demonizam e não ganha absolutamente nada com isso. Sobre essa ficção chamada alma imortal ou espírito eterno, assista: A imortalidade da alma e suas consequências nefastas.
Não tenha medo. Ele é matéria-prima para todo tipo de superstição e estas são as ferramentas que os manipuladores de mente utilizam para controlar seus pensamentos e suas ações.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A face mutante do Diabo e sua utilidade para a igreja

Os fantasmas da (i)moralidade religiosa querendo assombrar o ensino de biologia

De onde vem essa história de que a carne é fraca?