Existe ateu na hora da morte?

Existe ateu na hora da morte?


Por Sergio Viula
Publicado originalmente no AASA

Caso real

Existe ateu na hora da morte?

Parece ser ‘patrimônio’ do senso comum a ideia de que todo ateu, ao primeiro sinal de grave crise, tal como doença ou morte, passa a acreditar, quase que imediatamente, na existência de algo para além da vida. E para ‘provar’ isso, os que têm alguma crença, especialmente aqueles que precisam desesperadamente de confirmação para suas ideias, acreditam que a suposta conversão de um ateu (muitas vezes mera especulação de crentes), seja a demonstração última de que crer é a coisa mais racional a se fazer, mesmo que a existência de qualquer realidade metafísica jamais tenha sido mínima e satisfatoriamente demonstrada. Tentativas foram feitas, mas todas elas fracassaram. Não  me surpreendo que existam ateus, mas que ainda existam crentes. Faço questão de dizer que isso não tem nada a ver com sinceridade ou falsidade na prática da religião. Nem a safadeza de pastores ladrões e estupradores nem a admirável piedade de Desmond Tutu, por exemplo, fazem qualquer diferença para o argumento de que crenças religiosas são pura imaginação carregada de fortes emoções. Resumindo: o mais sincero crente não torna nenhuma de suas crenças mais verdadeiras.
E por que será que temos a impressão de que ateus geralmente se convertem no leito da doença ou da morte?
Uma das razões é que a mídia geralmente destaca qualquer sinal de pietismo religioso, mas apaga, ignora, silencia o discurso ateu e a morte dos inconversos. Não se precisa de muito esforço para perceber que a imprensa raramente dá espaço ao discurso ateu, mas está repleta de discursos religiosos, seja de pregadores profissionais ou de artistas e pessoas comuns.
Claro que aqueles que nunca acreditaram no sobrenatural podem se render às pressões sociais, muitas vezes exercidas em momentos de maior vulnerabilidade emocional e revestidas de palavras solidárias. Mas, eu poderia apostar que quando ateus morrem rejeitando qualquer sacramento, oração ou apelo à conversão, os religiosos que testemunharam seu fim não divulgam isso, porque sentem-se derrotados e/ou desesperados só em pensar que seu parente ou amigo pode ter ido para o inferno por causa disso. Isso quando não dizem que ele se arrependeu e creu, ainda que não haja qualquer evidência disso, como nos casos de morte depois de longos períodos em estado vegetativo. Como o falecido ateu não pode voltar para dizer o que realmente aconteceu, prevalece o silenciamento de sua descrença ou a lenda de sua conversão.
Pessoalmente, espero que no momento da minha morte (se não for resultado de um acidente que me tome de supetão), não haja um crente de qualquer matiz (católico, evangélico, espírita, etc.) pentelhando meu juízo. Espero poder simplesmente desaparecer graciosamente. E caso eu seja tomado por um acidente, catástrofe natural ou por uma fulminante parada cardíaca, sejam dignos e não inventem lendas urbanas de caráter supersticioso a meu respeito. Aceitem que dói menos: o ateu morreu. Ponto final.
Ponto final para mim, mas não para os elementos que compõem meu corpo, assim como acontece a qualquer outro organismo no planeta.
Meu corpo se decomporá ao nível das partículas mais elementares e provavelmente será reaproveitado pela natureza para a formação de novos de organismos da mesma maneira que ele mesmo se formou e se desenvolveu a partir dos elementos que já foram de outros corpos, vivos ou não vivos.
Mas e a consciência?
Não vejo razão para não crer que ela seja uma projeção do corpo, isto é, uma produção dessa fantástica fábrica de sensações e pensamentos chamada cérebro. Gosto da metáfora da TV. Mesmo que ela não seja perfeita – nenhuma metáfora o é -, ela ajuda a entender o que quero dizer. A metáfora é a seguinte: se o televisor fosse meu corpo, a imagem dele seria minha consciência. Uma vez pifada a TV, a imagem desaparece. Uma vez morto o corpo, cessam todas as suas expressões, porque cessam os processos na base que produz o que chamamos de consciência, inclusive a autoconsciência. O medo da morte e a invenção de supostas vidas depois dela são resultado dessa consciência, mas não sobrevivem à cessação da atividade cerebral.
E por que me parece mais sensato pensar assim? Porque não há qualquer evidência do contrário. Milagres, sonhos, revelações, comunicação mediúnica, projeção astral, etc. não são provas do contrário. Só reforçam a minha tese, pois continuam sendo resultado de processos cerebrais que um dia deixarão de produzir a mesma consciência que acredita ter sido gerada por uma superior a si mesma. O argumento espiritualista, no sentido mais amplo do termo, é circular: Porque há vida após a morte, as pessoas têm experiências inexplicáveis. E as pessoas têm experiências inexplicáveis porque  há vida após a morte. Só que tudo isso não demonstra coisa alguma a respeito dessa tal vida após a morte. Só revela de que capacidades extraordinárias, especialmente no campo da imaginação, o cérebro é capaz.
Não admira que nossa imaginação seja tão povoada por ideias oriundas de crenças religiosas. Nascemos numa sociedade mergulhada em crenças cristãs e nossa mente continua encharcada de conceitos oriundos destas, mesmo que deixemos os templos. E isso explica parcialmente por que os ateus muitas vezes se referem às crenças cristãs, apesar de existirem tantas outras. Por isso, a reiterada referência a esses produtos historicamente cristalizados (os textos sagrados, as doutrinas, os ritos, os templos) a partir da fluida imaginação humana.
Um dos ateus que eu mais admiro é José Saramago, autor português, que foi perguntado muitas vezes sobre seu ateísmo e nunca se acanhou em responder direta e francamente a essas provocações argumentativas. Morreu sem nunca se curvar a qualquer apelo religioso. Nunca se converteu a deus algum. Em 18/06/10, Saramago deu seu último suspiro. Seu falecimento se deu em seu próprio quarto em sua bela casa nas Ilhas Canárias, depois de uma vida de produção literária exuberante. Foram 87 anos! E nem a doença ou a morte roubaram-lhe a lucidez que caracterizou sua vida.
Vale a pena ver o que Saramago disse nessa entrevista.
Graças à tecnologia das artes gráficas e das telecomunicações, podemos ter o que deus algum jamais poderia nos dar: sua eternização. Saramago continuará conosco através de seus livros e vídeos. Só não lhe dirijam preces. Ele não estará em lugar algum para ouvi-las. 😉 
Deixo vocês com Saramago em vídeo e aqui me despeço por hoje. Bom domingo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A face mutante do Diabo e sua utilidade para a igreja

Os fantasmas da (i)moralidade religiosa querendo assombrar o ensino de biologia

O tempo e o senso comum