Cala a boca, Valadão! Agora, um pouco de poesia...



Por Sergio Viula



 
Carlos Patricio Alberto (Santiago, Chile)



Depois de uma semana ouvindo o lixo que esses “profetas” de meia-tigela produzem em nome de um Jesus fabricado nos porões de mentes atormentadas por culpa, medo ou seduzidas pelas riquezas que a exploração da fé tão facilmente arrasta dos bolsos dos miseráveis ou remediados para o desses cada vez mais ricos pastorecos e cantorecos gospel, é refrescante conversar com um poeta que não recorre aos pobres deuses dependentes da bajulação de seus devotos para permanecerem no horizonte do imaginário humano. Caso contrário, já teriam caído no mais completo esquecimento ou teriam sido relegados a aparições nos desenhos da Disney, como acontece com os deuses gregos, vikings, romanos, astecas, etc. Aliás, essas aparições ainda contam com mais realismo do que as visões de araque desses desvairados.

Carlos compartilhou uma poesia comigo (veja abaixo), talvez por saber que amo literatura. Li e amei o poema imediatamente. Pedi permissão para publicá-la aqui. Ele deixou. Ficou surpreso quando eu disse que faria propaganda do livro dele também, porque o que é bom merece destaque ainda maior do que qualquer polêmica estúpida produzida por falastrões refastelados na lã ($$$) e nas carnes ($$$) das ovelhas que caem nas armadilhas de seus currais infectados com todo o tipo de desonestidade intelectual. Não tenho pena dessas “ovelhas” também, não. Elas ladram como cães tentar mostrar o erro em que caíram, mas balem como cordeirinhos enquanto suas lideranças nada santas vão sangrando-lhes cada gota que corre nas veias.

Se quiserem saber o que escrevi sobre as palavras daquela crentelha da Ana Paula Valadão sobre a campanha Dia dos Misturados da C&A, leiam esse post, mas preparem-se para altas gargalhadas, porque nada mais divertido do que a “pagação de mico” desses crentes fundamentalistas que deixam Os Três Patetas, O Gordo e o Magro, Chapolin Colorado, Chaves e outros profissionais da comédia pastelão com vergonha alheia. Está aqui, olha:
C&A Dia dos Misturados – Cala a boca, Ana Paula Valadão! http://www.foradoarmario.net/2016/05/c-dia-dos-misturados-cala-boca-ana.html



Bem, como o poema de Carlos é bálsamo para quem não tem medo de saber que está por sua própria conta e risco no mundo, podendo contar, às vezes, com a solidariedade dos que o amam, assim como oferecer a sua a seus amados, deixo você com o poema “REAIS”, escrito por Carlos Patricio Alberto.
Agora, o poema…



Você pode adquirir o livro diretamente com o autor por mensagem inbox no seguinte perfil:
https://www.facebook.com/carlos.patricioalberto

O livro custa 25 reais. Preço bastante razoável para um livro impresso. Adquira o seu.

Carlos também escreveu DELIRIUM. Pergunte-lhe sobre esse livro também.







Originalmente publicado em 22 de maio de 2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A face mutante do Diabo e sua utilidade para a igreja

Os fantasmas da (i)moralidade religiosa querendo assombrar o ensino de biologia

De onde vem essa história de que a carne é fraca?