Bill Maher sobre ser abertamente secular

Por Sergio Viula
Originalmente publicado no AASA






Site e redes sociais da campanha que o Bill Maher comenta no vídeo acima:

Site: http://www.openlysecular.org

Facebook: http://www.facebook.com/OpenlySecular

Twitter: https://twitter.com/@openlysecular






Abertamente Secular

Em minha experiência pessoal, ser abertamente secular não é mais uma questão. Simplesmente, sou secular 24 horas por dia: em casa, no trabalho, na universidade, entre amigos nas horas de lazer, e por aí vai. Não leva muito tempo para que alguém perceba que eu sou um secularista, porque a fala já denuncia. O próprio modo de pensar e de expressar tais pensamentos revela que não há vestígio de argumentos que recorram a supostos mistérios só para os “inciados”; nenhum argumento religioso ou mítico transpassa minha fala, exceto no lugar de contradito, aquilo a que posso opor uma ideia melhor, mais livre, mais nítida, mais humanista.

Esse secularismo humanista que adoto no melhor das minhas forças em tudo o que faço e digo – e que me faz não temer voltar a eventuais equívocos e corrigir quaisquer discrepâncias – é libertador. Não tem preço poder encarar o ser humano sem misticismo de qualquer espécie; viver a vida sem falsas esperanças ou falsos temores relacionados a deuses, demônios, espíritos, mentores extraterrestres ou inteligências impessoais neste ou em supostos além-mundos; pensar na morte como a simples desintegração da aparente ordem estabelecida como resultado das forças que se opõem, sobrepõem e se submetem, a partir das interações entre os diversos elementos que compõe essa “unidade” orgânica a quem deram o nome de Sergio e o sobrenome de Viula; olhar para os seres humanos que me rodeiam e até mesmo os que vivem mais distantes de mim, não apenas geograficamente, mas também no modo como conduzem suas vidas, como iguais na humanidade que nos caraceriza a todos; investigar racionalmente o funcionamento dos elementos que compõe o vasto universo em que estamos inseridos; utilizar os recursos naturais criticamente, respeitando o máximo possível outras espécies, porque, no fim das contas, estamos todos irmanados por relações simbióticas nos mais variados níveis, alguns imediatos, outros mais remotos, mas todos encadeados de alguma maneira nessas coisas que decidimos chamar de ecossistemas.

Mas ser um secularista, politicamente falando, é não aceitar argumentos religiosos, míticos, lendários, não verificáveis, não defensáveis através da razão pública (para usar um termo caro a Jürgen Habermas). E sobre isso vale muito a pena assistir o vídeo do Maher de novo e prestar atenção a o que ele diz a respeito desse ponto.

Argumentos religiosos para a formulação de leis ou regulamentação de práticas do Estado e da sociedade civil, além de infatilóides, são perigosos. E não se precisa ser filósofo político, cientista político, sociólogo ou afins para se perceber isso. Basta lermos os jornais ou darmos uma olhada nas postagens a respeito de política e religião, principalmente naqueles países que adotam uma religião como oficial ou agem como se tivessem uma, mesmo que o neguem em suas Constituições.

Secularistas brasileiros precisam se mobilizar e dar um basta nessa onda de fundamentalismo religioso que vem assaltando nossa política, trazendo prejuízos gravíssimos do ponto de vista institucional, político, social e econômico. Prejuízos que incluem a corrupção praticada por muitos ditos “ungidos do Senhor”. Esses picaretas usando seus livros sagrados como cortina de fumaça se corrompem com mais voracidade do que muita gente que está condenada a anos de cadeia nos presídios brasileiros, muitas vezes, por coisas bem menos graves, quando não por engano, por falta de um bom advogado, porque não tinham dinheiro para garantir um que se dedicasse a seus processos. Outra injustiça que precisa ser reparada.

Minha leitora e meu leitor, sejam abertamente seculares. Desenvolvam seu pensamento secularista, preferencialmente humanista, acessando informações relevantes produzida por gente bem informada e responsável. Produzam textos e vídeos com conteúdos secularistas humanistas a respeito dos problemas que envolvem nossos governos e nossa sociedade. Escrevam tweets e outros posts curtos, mas que deem o que pensar, preferencialmente com algum site que os interessados possam acessar para obterem mais informações. Mas, certifique-se de estar reformulando seus pensamentos de fato e não apenas re-batizando velhos dogmas com novos nomes. Isso é mais comum do que pode parecer. A ignorância pode ser mais resistente que qualquer erva daninha e é possível que nós mesmos incorramos em ignorância ou equívoco sem sequer o percebermos. Precisamos ter uma atitude muito honesta, não apenas para denunciar as falácias alheias, mas principalmente identificar e corrigir aquelas que nós mesmos reproduzimos irrefletidamente.

Fecho esse post com uma uma equação muito simples:

Mais secularismo humanista e menos fanatismo = mais felicidade, mais igualdade, mais justiça, mais liberdade.

Não é exatamente disso que fala Imagine, inesquecível composição do eternamente amado John Lennon? Agora, quer ver uma interpretação fascinante e surpreendentemente tocante dessa canção? Então, assista o vídeo abaixo. Se puder ver em tela grande, melhor ainda. E não me refiro à tela cheia do computador apenas. Refiro-me a uma televisão de led ou de plasma.





Imagine

Imagine there’s no heaven
It’s easy if you try
No hell below us
Above us only sky

Imagine all the people
Living for today
Imagine there’s no countries
It isn’t hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too

Imagine all the people
Living life in peace
You may say, I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope someday you’ll join us
And the world will be as one

Imagine no possessions
I wonder if you can
No need for greed or hunger
A Brotherhood of man

Imagine all the people
Sharing all the world
You may say, I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope someday you’ll join us
And the world will live as one


——————————————————


Imagine


Imagine não haver o paraíso
É fácil se você tentar
Nenhum Inferno abaixo de nós
Acima de nós, só o céu
Imagine todas as pessoas
Vivendo o presente

Imagine que não houvesse nenhum país
Não é difícil imaginar
Nenhum motivo para matar ou morrer
E nem religião, também

Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz
Você pode dizer que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia você junte-se a nós
E o mundo será como um só

Imagine que não ha posses
Eu me pergunto se você pode
Sem a necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade dos homens

Imagine todas as pessoas
Partilhando todo o mundo
Você pode dizer que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia você junte-se a nós
E o mundo viverá como um só




Republicado em 25 de outubro de 2016 antes de figurar aqui.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A face mutante do Diabo e sua utilidade para a igreja

De onde vem essa história de que a carne é fraca?

Os fantasmas da (i)moralidade religiosa querendo assombrar o ensino de biologia